segunda-feira, 28 de novembro de 2016

OS NOSSOS ESCRITORES

QUADRAS SOBRE A NEVE


Quando acordei de manhã
estava tudo branquinho
era o primeiro nevão
depois do S. Martinho.

Vesti um casaco quente
e fui para a rua ver
estava tudo congelado
por isso tive que me ir aquecer.

Durante a tarde fiz um boneco
digno de se ver
à noite veio a chuva
e começou a derreter.

A neve é engraçada
mas também aborrecida
não podemos ir à escola
fico com uma aula perdida.



FILIPA RODRIGUES SC1

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

SEMANA DA REFLORESTAÇÃO NACIONAL

Para assinalar a Semana da Reflorestação Nacional – Floresta Autoctone, o Gabinete Técnico Florestal, do Município de Resende, levou a cabo várias iniciativas junto das escolas do concelho. Nomeadamente uma palestra sobre a Floresta Autoctone, onde passaram informação sobre "O que é uma árvore?", "O que é uma Floresta?", e "Como plantar uma árvore!". No final distribuíram marcadores com algumas das espécies originárias do nosso território. Permitiram ainda a plantação de um pinheiro no recinto da nossa escola, com as crianças do Pré-Escolar, bem como uma série de árvores, num terreno junto ao Penedo de S. João, por alunos do 3º e 4º ano.
Foi uma forma de sensibilizar os alunos para a temática e incentivar o contato com a natureza, tão útil e importante.










segunda-feira, 14 de novembro de 2016

CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS - MARACAS

No âmbito da disciplina de Estudo do Meio, aquando do estudo dos órgãos dos sentidos, a turma do segundo ano, criou, segundo um Alfaprojeto, um instrumento musical, recorrendo a rolos de papel higiénico, revistas, tintas e arroz, feijão e massa - as maracas!
E com elas puderam treinar a audição!




 

VEM AÍ O NATAL!

Dos Santos ao S. Martinho são nove dias e um bocadinho.
E do S. Martinho ao Natal são trinta dias e tal. 
Razão pela qual já começamos a preparar as decorações e a festa.
E é ver a face dos nossos alunos a iluminar-se!

S. MARTINHO

Como não podia deixar de ser o CESC comemorou o S. Martinho, como manda a tradição. Com quadras e ditados populares, com histórias como a "Maria Castanha" e a "Lenda de S. Martinho", e alguns trabalhos de expressão plástica, com o pré-escolar e o 1º ciclo. E é claro, com as castanhas assadas.











QUADRAS S. MARTINHO

No dia de S. Martinho
há castanhas para assar.
As pessoas vão come-las
sem nunca mais parar.

As pessoas fazem cartuchos
com uma folha de papel.
Metem-nas lá dentro
até parece que sabem a mel.

Neste dia tão feliz
as pessoas convivem
pegam nas castanhas
e fazem muitas manhas.

Gonçalo Bernardo SC1

No dia de S. Martinho
comemos castanhas
bebemos o vinho
sem ficar com banhas.

No dia de S. Martinho
comemos castanhas assadas
chegamos a casa
todas enfarruscadas.

Maria SC1

O dia de S. Martinho
é uma alegria
come-se castanhas
e faz-se uma grande folia.

No dia de S. Martinho
come-se castanhas, bebe-se vinho
com amor e amizade
e, sobretudo, carinho.

Filipa Rodrigues SC1


No dia de S. Martinho
comemos castanhas
bebemos vinho
tiramos a sopa com as gadanhas.

Nesta altura, fazemos o magusto
no meio da brincadeira
caí num arbusto
com o meu primo Augusto.

Margarida Isabel SC1

Ó S. Martinho
dá-me estas castanhas.
Vou assa-las na panela
com as minhas gadanhas.

O vinho está doce
e as castanhas assadas.
Vamos começar a festa
sem as nossas empregadas.

S. Martinho,
ó S. Martinho.
Iremos comer castanhas
e provar o teu vinho.

Verão de S. Martinho,
ai que rico solinho.
Vamos brincar ao calor
com muito fulgor.

Beatriz Rodrigues SC1

No dia 11 de novembro
celebra-se o S. Martinho
assam-se as castanhas
e bebe-se o vinho.

No dia de S. Martinho
é uma fantasia
comem-se as castanhas
que grande alegria.

Micael SC1

No S. Martinho
há muita alegria
o dia 11 de novembro
é o seu dia.

Daniela SC1

S. Martinho com vinho
e com castanhas assadas
ficamos todos enfarruscados
e ouvimos músicas encantadas.

Todos juntos dançamos
e cantamos.
Ficamos felizes e contentes
com as pessoas que adoramos.

Catarina SC2

S. Martinho é no dia 11
é um dia especial
gosto de castanhas assadas
e quentinhas com sal.

O Martinho é um soldado
ajudou um mendigo
passado um tempo
este ficou seu amigo.

Lucas SC2

No dia de S. Martinho
come-se castanhas quentinhas
também gosto delas
ao sol assadinhas.

Na escola fazemos
um magusto quentinho
todos brincamos
ao jogo do soldadinho. 

 Inês Vaz SC2

No dia de S. Martinho
comem-se castanhas assadas
prova-se o vinho branco
e ficamos com grandes barrigadas.

S. Martinho é um dia especial
especial porque é feliz
feliz porque é bom
e porque o soldado o diz.

Cátia Rodrigues SC2

OS NOSSOS ESCRITORES


Se eu fosse um passarinho

Se eu fosse um passarinho, 
poderia voar sobre o céu azul e brilhante.
Isso seria espantoso!
Mal aprendesse a voar,
 iria logo visitar alguns monumentos 
como a Torre Eiffel,o Big Ben, o Taj Mahal, entre outros.
Fugir aos malvados caçadores, seria a pior parte,
 mas num piscar de olhos voaria para outro lado sem eles me verem.
Eu seria acinzentada, com uma mancha branca, 
olhos castanhos, bico amarelo e patas cor de laranja.
O meu ninho ficaria no topo de um pinheiro-bravo e seria feito de paus, 
lama, e erva para os ovos ficarem mais confortáveis.
Todos os dias, quando acordasse, iria procurar sementes para o pequeno-almoço.
O meu almoço e o meu jantar seriam sempre minhocas com insetos.
Tal como o pequeno-almoço, o lanche seria sementes.
Uma pomba era o que eu seria, pois acho que são muito giras e fofas.
Se eu fosse um passarinho seria muito feliz 
e livre de voar com as minhas magníficas asas.



Beatriz Rodrigues - SC1

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

BIBLIOTECA - ESCRITA CRIATIVA

DIA DE HALLOWEEN

NO REINO DAS BRUXAS




Era uma vez duas irmãs bruxas, que viviam num castelo assombrado, no topo da montanha do lago.

Viviam felizes, mas volta e meia zangavam-se, porque a mais velha, a Bruxa Pipi, andava sempre a fazer travessuras.
Enquanto a mais nova, a Bruxa Mimi, distribuía doces pelos habitantes do Reino.






Um dia, a Pipi, voando na sua vassoura em excesso de velocidade, perdeu o seu chapéu mágico, bem no meio da floresta, o que era uma grande tragédia. Muito zangada foi pedir ajuda à Feiticeira Gertrudes, que vivia na caverna nº 13, ao fundo da Rua dos Gatos.





Mas como também a Feiticeira tinha sofrido as maldades da Pipi, decidiu vingar-se de todas as suas partidas, e deu-lhe uma poção que a transformou numa abóbora saltitante e cantadeira.





A Bruxa Lili andava muito atarefada a preparar a festa de Halloween, e nem deu por falta da irmã. Preparou muitos enfeites assustadores para decorar a sala, onde ia decorrer o baile, e pensou em fazer algumas sobremesas. Tarte de abóbora era a sua preferida.



Só lhe faltava a matéria prima. Resolvida foi ao quintal e escolheu a mais madura, mas quando ia para a apanhar, esta começou a saltitar ao mesmo tempo que dizia:

- Ai, Ai
   Não quero ir para a panela
   Prometo que se me safo desta
   Até como canela!





Mas a Lili não percebia "abobres" e continuou a tentar apanhá-la.
Então a Bruxa Pipi escondeu-se no meio das outras abóboras, já apanhadas e guardadas na arrecadação, fria e escura, cheia de teias de aranhas e outros bichos com muitas patas.

A Lili mal entrou, foi beijada por uma aranha pendurada na sua teia, e logo gritou:
  • Ai, Ai que horror
    nunca mais te quero ver
    vai lá para outro lado
    antes que eu te faça desaparecer!





Respirou fundo e lá continuou aos apalpões, até que sentiu algo estranho e frio, que lhe mordeu os dedos.




Foi tão alto o grito que deu, que pouco depois apareceu o Fantasma Traquinas, que a abraçou e disse:
  • Acalma-te que aqui ninguém te faz mal!
  • Aí que susto! Eu só queria apanhar aquela abóbora fugidia! - disse a Lili.
  • Quem a Bruxa Pipi? - perguntou o fantasma
  • Aí, a minha irmã!?!?!?!?! - perguntou surpreendida a nossa bruxa boa.
  • Sim, a Feiticeira Gertrudes quis dar-lhe uma lição e transformou a numa abóbora! - respondeu o Traquinas.
  • Como sabes? - disse de imediato a Lili.
  • Eu falo a língua das abóboras. Se quiseres ajudá-la tens que fazer o feitiço inverso. - acrescentou o fantasminha.
  • Bem, ela não merecia, mas... é minha irmã!
    - "xacata catapaya, varinha boazinha, faz a abóbora voltar a ser a minha irmãzinha"!






E num instante a Bruxa Pipi apareceu sentada em sumo de abóbora. Levantou-se a correr, abraçou a irmã e prometeu que não voltaria a fazer travessuras.
Nessa noite com as suas amigas, lá foram porta a porta, pedir doçuras, esquecendo as travessuras!